sábado, 24 de abril de 2010

Alguns apontamentos antigos sobre as antas (2)

Tipos de monumentos, segundo Leite de Vasconcellos - Parte 1.

"Existem dos tempos neolithicos em Portugal muitas variedades de monumentos sepulcraes, desde a singela lapa ou abrigo de baixo do rochedo, até à crypta abobadada, - o que revela tambem pelo seu lado differenças de civilização e datas.
Tornar-se-ia bastante difficil tentar expor com exactidão e rigor a ordem chronologica segundo a qual as diversas fórmas sepulcraes succedêrão umas ás outras.
(.../...) indico as que conheço, limitando-me porém a distribui-las por typos: 1) grutas naturaes e lapas; 2) grutas artificiaes; 3) e 4) sepulturas por excavação sem ou com revestimento interno; 5) dolmens em geral; 6) monumentos de transição entre os dolmens e as cryptas alcalarenses; 7) monumentos alcalarenses propriamente ditos; 8) monumentos de transição entre os precedentes e as cistas; 9) cistas e antellas; 10) sepulturas diversas..." p.212

"Naquelles pontos em que a fragilidade do terreno permittia que fosse excavado com os instrumentos de que se podia dispôr na idade da pedra, ou no princípio da seguinte, o homem abriu grutas artificiaes, á maneira das naturaes.
No nosso país, na Extremadura, conhecem-se algumas grutas artificiaes, que tem sido com razão consideradas como sepulturas. As mais notáveis são as de Palmella; mas não são unicas..." p.227

"Como poderiamos nós estabelecer com nitidez a diversidade das concepções que, por exemplo, a diversidade das concepções que, por exemplo, produziria na imaginação do homem neolithico o enterrar um morto num subterraneo natural, profundo, irregular, pouco conhecido lá por dentro, e portanto já de si mysterioso, ou enterrá-lo numa crypta feita com cuidado pela mão de artifices, e onde a natureza não punha outros mysterios senão os da morte propriamente dita?" p. 237.
Desenho: Grutas de Alapraia - Cova dos Mouros (Cascais), p. 238.
J.L.de Vasconcellos (1897) - As religiões da Lusitânia, vol.1